LUDICIDADE E DESENVOLVIMENTO

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

  • Josileide Martins Universidade La Salle Canoas
  • Hildegard Susana Jung Universidade La Salle Canoas
  • Louise de Quadros da Silva Universidade La Salle Canoas
Palavras-chave: Ludicidade, Desenvolvimento Humano

Resumo

O tema da presente pesquisa versa em torno da ludicidade como promotora de desenvolvimento humano. O objetivo consiste em refletir sobre os jogos e brincadeiras enquanto promotores de desenvolvimento na Educação Infantil. Trata-se de um estudo de metodologia qualitativa, que recorreu à revisão de literatura, incluindo documentos legais para o procedimento de coleta de material para o referencial teórico. Os achados foram examinados à luz da Análise de Conteúdo e os resultados apontam para: a) o jogo como promotor do desenvolvimento físico, cognitivo, afetivo e moral; b) a preparação para a vida em sociedade começa com situações lúdicas; c) a formação lúdica permite ao educador conhecer-se como pessoa, como profissional e saber suas possibilidades e limitações. Concluímos que o potencial do jogo enquanto promotor de desenvolvimento humano transcende o que buscou analisar a presente pesquisa. Além de potencial promotor de desenvolvimento da criança na Educação Infantil, o jogo permite o crescimento de todos os seres humanos, independentemente de sua idade, bem como do próprio educador, o qual passa pela formação lúdica. Desta maneira, podemos concluir que metodologias lúdicas promovem o desenvolvimento humano em ambientes de educação formal e não formal.

Biografia do Autor

Josileide Martins, Universidade La Salle Canoas

Discente do Curso de Pedagogia

Universidade La Salle Canoas

Hildegard Susana Jung, Universidade La Salle Canoas

Doutora em Educação e docente na Unilasalle

Universidade La Salle Canoas

Publicado
2018-12-27
Como Citar
Martins, J., Susana Jung, H., & de Quadros da Silva, L. (2018). LUDICIDADE E DESENVOLVIMENTO. Revista De Educação Do Vale Do São Francisco, 8(17). Recuperado de http://periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/256
Seção
Artigos