LUDICIDADE E DESENVOLVIMENTO

A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

  • Josileide Martins Universidade La Salle Canoas
  • Hildegard Susana Jung Universidade La Salle Canoas
  • Louise de Quadros da Silva Universidade La Salle Canoas
Palavras-chave: Ludicidade, Desenvolvimento Humano

Resumo

O tema da presente pesquisa versa em torno da ludicidade como promotora de desenvolvimento humano. O objetivo consiste em refletir sobre os jogos e brincadeiras enquanto promotores de desenvolvimento na Educação Infantil. Trata-se de um estudo de metodologia qualitativa, que recorreu à revisão de literatura, incluindo documentos legais para o procedimento de coleta de material para o referencial teórico. Os achados foram examinados à luz da Análise de Conteúdo e os resultados apontam para: a) o jogo como promotor do desenvolvimento físico, cognitivo, afetivo e moral; b) a preparação para a vida em sociedade começa com situações lúdicas; c) a formação lúdica permite ao educador conhecer-se como pessoa, como profissional e saber suas possibilidades e limitações. Concluímos que o potencial do jogo enquanto promotor de desenvolvimento humano transcende o que buscou analisar a presente pesquisa. Além de potencial promotor de desenvolvimento da criança na Educação Infantil, o jogo permite o crescimento de todos os seres humanos, independentemente de sua idade, bem como do próprio educador, o qual passa pela formação lúdica. Desta maneira, podemos concluir que metodologias lúdicas promovem o desenvolvimento humano em ambientes de educação formal e não formal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josileide Martins, Universidade La Salle Canoas

Discente do Curso de Pedagogia

Universidade La Salle Canoas

Hildegard Susana Jung, Universidade La Salle Canoas

Doutora em Educação e docente na Unilasalle

Universidade La Salle Canoas

Publicado
2018-12-27
Como Citar
Martins, J., Susana Jung, H., & de Quadros da Silva, L. (2018). LUDICIDADE E DESENVOLVIMENTO. Revista De Educação Do Vale Do São Francisco, 8(17). Recuperado de http://periodicos.univasf.edu.br/index.php/revasf/article/view/256
Seção
Artigos